Shortcutz Porto #262
16/6/2021

16/6/2021
20:30
Sessão de cinema

Shortcutz Porto #262

16.06.2021- 20h30 

Duração sessão: 40'

Classificação etária: M/18 

Sala de Espetáculos  


Convidados presentes: Alexander Schaef, Alexandre Siqueira e Sara S. Santos. 


Nesta sessão do Shortcutz Porto que será moderada pelo artista Sama, teremos vários convidados com filmes muito diversificados e temas contundentes. O realizador brasileiro, Alexandre Siqueira estará no Shortcutz a apresentar o seu filme de animação, “Purple Boy”, uma curta com produção portuguesa que aborda a questão da identidade de género a partir da história de Óscar, um menino transgénero.“Purple Boy” já venceu mais de 20 festivais de cinema. Sara N. Santos regressa ao Shortcutz, desta vez para apresentar o seu mais recente filme,"Just Like The Films", um filme que mistura as memórias do seu avô com imagens de filmes noir, uma amálgama que resulta numa carta de amor ao seu avô e ao cinema. Alexander Schaef, jovem artista californiano também estará presente com o vídeo performance, “MOMMY’s TEN-INCH BALL-SACK SS21”, um trabalho que não nos deixará indiferentes à abordagem do artista sobre o papel do núcleo familiar na sociedade de consumo e em particular, sua relação com a própria mãe.

O Shortcutz Porto tem a curadoria de Luísa Sequeira e é realizado em parceria com a Saco Azul e os Maus Hábitos.


PURPLEBOY

Alexandre  Siqueira

Portugal, França e Bélgica/ Animação / 2019 / Duração 13'53''

 

Sinopse 

Oscar é uma criança que germe na horta dos seus pais. Ninguém sabe o seu sexo biológico, mas ele reivindica o género masculino. Um dia, Oscar vive uma extraordinária mas dolorosa aventura num mundo autoritário e opressivo. Conseguirá ele ter o reconhecimento de identidade que tanto deseja?

 

Trailer: https://vimeo.com/345928411

 

Oscar is a child who sprouts in his parents garden. Nobody knows his biological sex but he claims the masculine gender. One day Oscar lives an extraordinary but painful adventure in an authoritarian and oppressive world.


JUST LIKE THE FILMS

Portugal / Ficção / 2020 / duração 12´

Sara S Santos 


Sinopse 

Em Just  Like  the  Films,  Sara  N.  Santos  procura  evocar  a  memória esquiva do seu falecido avô. A partir de fragmentos de clássicos filmesnoir   tece-se   uma   íntima   história   de   detetive   com   um   som cuidadosamente  reeditado.  O  resultado

final  é  um  ato  monocromáticode  devoção  cinematográfica.   

Jonathan  Ali  (Alchemy  Film  and Moving Image Festival)


Trailer: vimeo.com/426368763


Just  Like  the  Films Sara  N.  Santos

seeks  to  conjure  the  elusive memory of her deceased grandfather, piecing an intimate detective story out  of  clips  from  classic  noir films,  their  sound  attentively  re-edited,  the

end  result  a  monochrome  act  offi lial  and  cinematic  devotion”.  

Jonathan Ali (Alchemy Film and Moving Image Festival)


MOMMY’s TEN-INCH BALL-SACK SS21 de  Alexander Schaef

Portugal / Videoperformance / 15'

M/18

 

Sinopse 

O TEN-INCH BALL-SACK SS21 da mamãe é um desfile de alta costura de vanguarda da mente de Alexander Schaef; é uma paranóia severa e violenta - algo quase uma serpente, quase sua pele morta. Cheio de referências diretas e íntimas à automutilação, ciclos [familiares] de doença e trauma, uma animosidade e inveja em relação às artes e ao diálogo intelectual inteiramente, uma vaga, mas esmagadora, culpa / vergonha relacionada à identidade e os mecanismos autodestrutivos que instalamos para lidar com essas emoções extremas, a 'MOMMY Collection' funciona como um instrumento que dá sinfonia à agonia. Nós sentimos a doença se infiltrando através da luz [mais leve], vimos o terror gotejar nos rostos dos entes queridos, nos sentimos feios, miseráveis e estúpidos [e, em geral, sem valor!]! A essência de 'mamãe', por sua vez, ridiculariza essa inutilidade, a inutilidade que consome a sociedade, mas é mantida oculta devido a entendimentos convencionais e irracionais de status e propósito divino, de uma forma validante, mas decrescente, ao ponto surpreendentemente alcançável da obscenidade & paródia. Ao perverter a própria destruição e desviar a "experiência humana" de algo que une todas as pessoas através do sofrimento coletivo para algo que é completamente ridículo (e, portanto, não merece atenção alguma), o TEN-INCH BALL-SACK SS21 da mamãe esmaga feito pelo homem espectros de sucesso e realização, substituindo-os por um vazio complexo, embora reconfortante, metaforicamente carregado, mas absolutamente absurdo, vasto, vasto. Este desfile serve tanto como um pedido de ajuda quanto como uma crítica ao público; OLHE O QUE VOCÊ ME FEZ! …


MOMMY’s TEN-INCH BALL-SACK SS21 is an avant-guarde haute-couture fashion show from the mind of Alexander Schaef; it is a severe and violent paranoia -- something almost a serpent, almost its dead skin. Suffused with blunt and intimate references to self-harm, [familial] cycles of of illness & trauma, an animosity and envy towards the arts and intellectual dialogue entirely, a vague yet overwhelming identity-related guilt/shame, and the self-destructive mechanisms we install to cope with such extreme emotions, the ‘MOMMY Collection’ serves as an instrument that gives symphony to agony. We’ve felt the illness seep through the [lightest] light, seen the terror drip down faces of loved ones, felt ugly and miserable and stupid [and overall worthless!]! The essence of ‘Mommy,’ in turn, ridicules this worthlessness, the worthlessness that consumes society but is kept hidden due to conventional and irrational understandings of status and divine purpose, in a validating yet diminishing way, to the surprisingly attainable point of obscenity & parody. By perverting destruction itself, and flipping the “human experience” from something that unites all people through collective suffering to something that is completely ridiculous (and therefore deserving of no attention at all), MOMMY’s TEN-INCH BALL-SACK SS21 smashes man-made spectrums of success and fulfilment, replacing them with a complex yet comforting, metaphorically-charged yet absolutely absurd, vast, vast emptiness. This runway show serves as both a cry for help and a criticism of the audience; LOOK AT WHAT YOU MADE ME DO!..

Press

Saco Azul, Maus Hábitos,

Rua Passos Manuel 178

4º andar

4000-382 Porto


Produção Artística

marianavitale@maushabitos.com

danielpires@maushabitos.com

Assessoria de Imprensa

imprensa@maushabitos.com


Image

powered by

Image
Image