Shortcutz #258
11/18/2020

11/18/2020
21:00
Sessão de cinema

Shortcutz #258

18.11 –  21h00 

Duração sessão:  47 min.


ABEBA de  Zelalem Woldemariam

Suécia, Etiópia e Portugal / Ficção / 12´

Sinopse

ABEBA é um filme sobre expectativas, desilusões e sobre ver as coisas como elas realmente são. Uma bebé é abandonada pela mãe num parque de estacionamento em Addis Ababa.

A menina cresce com o sonho de voltar para junto da sua família. Aos 18 anos decide procurá-la e atravessa a Etiópia para a reencontrar. Mas o que encontra não é exactamente o que procurava.


Projeto convidado: Campanhã é a minha casa

Em 1896 começou a história do cinema em Portugal com Aurélio Paz dos Reis, pioneiro a filmar no país, logo no ano a seguir à invenção do Cinema pelos irmãos Lumiére. Assim, o cinema português arrancou no Porto. O primeiro quadro (assim se chamavam, na altura, aos pequenos filmes) foi a saída das operárias da Fábrica Confiança, na rua Santa Catarina. Um outro dos quadros filmado por Paz dos Reis foi a Feira do Gado na Corujeira, em Campanhã. Desse filme resta menos do que um segundo, um ápice.

Campanhã não é um território-cenário na história do Cinema Português, apesar de o Porto ser uma cidade estrela de cinema. Campanhã nunca teve uma sala de cinema, e o Porto chegou a ter 50 salas em 100 anos. Esta zona, a mais oriental da cidade, terra de quintas, de residência para os novos trabalhadores que chegavam à cidade, não despertou interesse no cinema desde o Paz dos Reis em 1896, nem para ser filmada, nem como zona de usufruto da 7ª arte.

Como seria um filme em Campanhã?

A partir de coleções de filmes super 8 de famílias da freguesia da freguesia de Campanhã, foram desafiados 3 realizadores para construírem 3 curtas-metragens - Cláudia Varejão, Edgar Pêra e Sónia Amen.



O OFÍCIO DA ILUSÃO de Cláudia Varejão 

2020 / 6’ / 4:3

Sinopse

O ofício da ilusão esculpe-se com imagens de um arquivo de família das décadas de 70 e 80 e de pequenos excertos sonoros de filmes. Madame Bovary é a heroína de Flaubert e abre as hostes deste exercício narrativo. A partir do diálogo de Ema Paiva com o seu amigo e confidente Pedro Lumiares no filme Vale Abraão de Manoel de Oliveira, entendemos a identidade de género como uma caracterização estanque de valores sociais. Ema, que aqui representa a Mulher num sentido mais lato, herda uma vida tradicional numa sociedade patriarcal. Neste semblante de opressão, Ema interroga a sua condição e a sociedade em que se insere. Graças ao bovarismo integrante em cada mulher, a força da desobidiência queimará o caminho que outrora fora idealizado para si. 


FITAS CIRÚRGYKAS de Edgar Pêra

2020 / 10’ 

Sinopse

A partir dos arquivos de imagens de Domingos Oliveira Santos – artista multifacetado e cirurgião. 


MENINA ANALÓGICA de Sónia Amen

PT / ficção / 2020 / 11'

Sinopse

De todas as viagem que podemos fazer na vida, a maior e mais importante é aquela que nos leva de volta a nós mesmos. A viagem constante, eterna, é tal que nos leva bem dentro de nós, num jogo de memória, onde nos reencontramos, nos descobrimos, e olhamos de novo aqueles que de forma mais nítida, com sangue e amor, deixaram a sua inscrição no tempo.

Sim, a maior viagem é sempre dentro de nós. Neste filme, neste auto-retrato, neste jogo de memória, que nos agita entre 1969, em angola, quando ainda nem tinha nascido, e o presente, passando pela minha meninice em 1980, descubro de novo o essencial, e quase sem saber como, dou comigo a voltar ao princípio, ao eterno recomeço, que é uma indefinida tarde de julho, princípio de tudo, criação do mundo, inscrito no meu, no nosso coração.

Press

Saco Azul, Maus Hábitos,
Rua Passos Manuel 178

4º andar

4000-382 Porto


Produção Artística

marianavitale@maushabitos.com

danielpires@maushabitos.com

Image

powered by

Image
Image